CIDADES INTELIGENTES

19 novembro, 2011

Repensar as nossas cidades é o primeiro passo para que possamos tornar o nosso planeta mais inteligente e desta forma melhor para que nele possamos viver.

Cezar Taurion que é economista, mestre em Ciências da Computação e gerente de Novas Tecnologias da IBM, afirma que “falar em melhorar as maneiras de como nosso mundo e nossas cidades funcionam é simples, mas difícil de colocar em prática. Porém, pode e deve ser feito”, e aponta no artigo que pode ser encontrado no link a seguir, os cinco passos que devem ser dados para que possamos tornar as nossas cidades mais inteligentes:  Cidades Inteligentes em 5 passos.

 

Carlos da Silva Mascarenhas

carlos.consultic@gmail.com

Anúncios

Uma homenagem a Tadashi Koshima 1944 – 2011

12 novembro, 2011

Tadashi Koshima-

A CONSULTIC não poderia fazer a TADASHI KOSHIMA, falecido no dia 04.11.2011, maior homenagem que transcrever o texto a seguir, da nossa amiga ISABEL BARRETO, que com muito carinho e emoção relembra a trajetória do “Japonês” e mostra muito do que ele era, e do que representou e representa para a comunidade de TI da Bahia e do Brasil.

É uma pena, Isabel, sabermos que o nosso Capitão desta vez foi conduzir barcos em outros oceanos, mas fica aqui a certeza de que ele será sempre lembrado com muito carinho e agradecimento por todos aqueles que tiveram a ventura de conviver com ele. Fique também certa, Isabel, que desolados estão todos que conheceram o inesquecível TADASHI KOSHIMA.

Carlos da Silva Mascarenhas

 

Conheci Tadashi no inicio de 1974, eu ainda era estudante e  acreditava que a vida era infinita. A Prodeb estava apenas começando, ele era o Gerente de Desenvolvimento e eu apenas uma estagiária de programação num grupo de uns 10. Graças a Tadashi, logo fomos contratados e  após três meses tivemos nosso salário dobrado.  Em pouco tempo nos tornamos fãs incondicionais do japonês, pela sua simplicidade,  inteligência, coerência,  além do ser humano admirável e totalmente confiável. Daquelas pessoas que quando a gente conhece, pensa, quando eu crescer quero ser igual a ele. Super bem informado, sabia de tudo que se passava, na empresa e fora dela. Sincero, respondia ao que queríamos saber, sem esconder o jogo. E se havia um problema, sabíamos que ele tomaria providências, batalharia para resolver, enfim traria uma solução.

Mais tarde nos encontramos na Odebrecht, onde a equipe era super motivada, o trabalho tão prazeroso, que era até inadequado chamar de trabalho. Grande parte devido ao japonês, um líder nato. Dizia que éramos a “melhor equipe da Bahia” (estratégia motivacional) e ficávamos com os egos inflados, então com seu jeito manso, ele ia cobrando e se estava  convencido de determinada coisa ia até o fim. Bastava passarmos por ele num corredor, “ e aquela modificação que Fulaninho pediu? E o relatório… ? E…? ” … não esquecia absolutamente nada. Se pensávamos que podíamos enrolar, ledo engano, “…que nada!  É melhor fazer logo o que Tadashi quer, senão ele não vai nos deixar em paz…”. E assim era, como ele dizia, o papel do gerente é fazer fazer.

Tinha uma capacidade de análise e habilidade numérica,  realmente incríveis. Lembro-me quando trabalhava num sistema para  concorrência de obras de engenharia, ficávamos horas conferindo aqueles cronogramas financeiros enormes, fazendo contas e contas, quando Tadashi chegava, bastava dar uma olhada, e apontava “este número aqui… não está muito coerente!”, direto no erro.

Privilegiada que fui, tornei a encontrá-lo profissionalmente  na Processa. Ele, o mesmo, sempre motivado, positivo e com mil idéias na cabeça.

Pós Processa continuou cheio de planos: Cooperativa, Gestão de Conhecimento, Projeto Cid Teixeira, BlogTI, entre outros. E enchia nossas caixas de e-mails que certamente farão falta. Nos últimos encontros que tivemos eu sempre  admirava a sua memória fantástica, relembrava fatos, eventos ou mesmo pessoas que há muito eu havia esquecido.

De todos estes anos de convívio com Tadashi, tenho uma única queixa, de vez em quando ele partia, sumia, ia embora, eu me sentia como se o capitão houvesse deixado o barco à deriva.  Assim foi na Prodeb, Odebrecht, Processa e novamente agora, para sempre. Estou desolada.

Isabel Barreto

Salvador, 11/11/2011

Tadashi deixou sua esposa Lenice, e filhos: Takashi, Takeshi e Sayuri. A CONSULTIC  une-se a eles, nesse momento de tristeza e saudade.

Tadashi e família


ISO 9001 para pequenas empresas

28 outubro, 2011

Muito tem se falado sobre as pequenas empresas e a sua necessidade de certificação dentro das Normas do Sistema ISO, dentre as quais se destaca a ISO 9001,  que é uma norma que possibilita às empresas mensurar, monitorar e verificar a consistência de seus processos, que indicam que ela está capacitada para produzir bens e serviços de alta qualidade e aumentar a satisfação do cliente. A certificação permite que a empresa mantenha ou amplie as vantagens competitivas em relação às concorrentes, reduza falhas e perdas no processo produtivo e otimize a utilização dos recursos existentes. Os custos da operação se tornam menores e a empresa é vista como confiável pelo mercado.

Ronaldo Costa, que trabalha com qualidade desde 1999 e é autor do Qualiblogdá algumas explicações, reproduzidas  aqui com sua autorização:

1. Existe uma ideia de que ter um sistema de qualidade é algo que só é aplicável para grandes corporações. Essa ideia está correta?

Esse é um dos grandes mitos da ISO 9001. Até mesmo organizações com número bem pequeno de funcionários, como empresas familiares por exemplo, podem ter ISO 9001. A própria norma deixa isso claro em seu item 1.2: “Todos os requisitos desta Norma são genéricos e se pretende que sejam aplicáveis a todas as organizações, independente do seu tipo, do seu porte e do produto fornecem.”

Em muitos casos é até mais fácil implementar a ISO em uma pequena empresa do que em uma grande corporação, cujos processos são sempre mais complexos e possuem uma dinâmica muito mais elaborada.

2. Sistemas de qualidade são totalmente aplicáveis a empresas que tem sistemas de produção. Para empresas prestadoras de serviço também faz sentido implementar programas de qualidade?

O capítulo 3 da ISO 9001 esclarece que “Ao longo do texto desta Norma, onde aparecer o termo produto, este também pode significar serviço.” – Serviço e Produto são para a norma a mesma coisa, ou seja, o resultado de um processo.

Conceituando dessa forma, apesar das diferenças entre os dois fica mais fácil assimilar a adoção da ISO 9001 para empresas de serviços. Temos vários exemplos, como hotéis, clínicas, clubes de futebol… É perfeitamente possível implementar um Sistema de Gestão da Qualidade (SGQ) sobre serviços também.

3. Quais os principais benefícios que uma pequena empresa pode ter ao implantar a ISO 9001?

O principal é a melhora na organização interna das atividades, ganhos em agilidade pela padronização, economia pela redução de erros e desperdício, pois ela passa a ter mais controle sobre seus processos. Isso sem falar no ganho para a imagem da empresa, que se torna mais confiável e isso possibilita a conquista de novos clientes.

4. Em média, quanto custa e quanto tempo leva para uma pequena empresa conseguir a certificação?

O custo total da certificação pode variar bastante conforme a região e porte da empresa. É preciso considerar que há duas fases importantes nesse processo. A primeira é a implementação e só depois vem a certificação propriamente dita. Então devemos prever o custo como um todo.

Do início da implementação até obter o certificado a empresa irá demorar entre seis meses a um ano.

Cabe aqui um alerta aos pequenos empresários. É comum que se deixem seduzir por consultores independentes que cobram bem pouco mas que nem sempre farão um bom trabalho de implementação, o que vai comprometer a certificação. Antes de fechar um contrato assim, procurem se informar bem sobre o profissional.

5. Qual sua principal dica para o empreendedor que quer organizar a gestão da sua empresa e já pode ser aplicada rapidamente?

Procure conhecer os requisitos da ISO 9001 e entender quais se aplicariam em seu negócio, desenvolva uma visão da empresa através de processos e não setores e aprenda a usar gráficos indicadores para gerenciar esses processos. Isso vai facilitar muito para quando decidir implementar um SGQ, será meio caminho andado.


PROJETO PORTO SUL– Alguns pontos a considerar

25 outubro, 2011

Como cidadão ilheense, listo a seguir alguns pontos que, no meu entendimento, acredito devam ser avaliados e levados em consideração por ocasião da Audiência Pública que será realizada no dia 29 de outubro, às 14 horas, no Centro de Convenções de Ilhéus:

  1. O Porto Sul é uma necessidade para a logística nacional e para o desenvolvimento do nosso país, e quer queiramos ou não, mais cedo ou mais tarde, mais prá lá ou mais prá cá, ele será construído;
  2. O Porto Sul provocará impactos ambientais e disto não há a menor dúvida;
  3. Partindo das premissas acima enunciadas, resta-nos conhecer bem o Projeto, suas vantagens e desvantagens, assim como os seus aspectos e impactos ambientais e procurar lutar para que sejam estabelecidas condicionantes e compensações ambientais e sociais que eliminem/minimizem os impactos adversos que ele inexoravelmente causará;
  4. Ficar “frontalmente contra” o Projeto Porto Sul ou dizer “amém” a tudo o que a BAMIN quer, são posições extremadas e simplórias que não levam a nada.
  5. O foco da BAMIN e de seus parceiros internacionais é construir e operar o Porto Sul no menor espaço de tempo e com os menores custos possíveis. O nosso foco, enquanto sociedade organizada, deve ser no sentido de que o Porto Sul gere o maior número de empregos e traga desenvolvimento para a nossa região, tudo isto provocando os menores danos ambientais e sociais possíveis.
  6. O papel dos Governos, municipal, estadual e federal deve ser o de mediar os conflitos entre aqueles que defendem o meio ambiente da nossa Região, e a BAMIN, sem assumir um dos lados, mas analisando com isenção tanto os aspectos econômico-financeiros do empreendimento, como os impactos ambientais e sociais que este importante Projeto poderá causar.
  7. Só assim poderemos pensar em ter desenvolvimento sustentável, definido no Relatório Nosso Futuro Comum (1987), Comissão Mundial para Meio Ambiente e Desenvolvimento, como: “a satisfação das necessidades do presente, sem comprometer a capacidade das futuras gerações de satisfazerem as suas próprias necessidades”.
  8. As Certificações ISO 9001, ISO 14001, e OHSAS 18801, e o respeito às diretrizes da ISO 26000 podem dar SUSTENTABILIDADE ao Projeto PORTO SUL.
  9. Os problemas hoje vividos pelo pessoal do São Miguel são frutos da falta de avaliação adequada dos aspectos e impactos ambientais da construção do Porto do Malhado. Não podemos, de forma alguma, repetir os nossos erros do passado.
  10. E para finalizar gostaríamos de evidenciar que na sua Política de Sustentabilidade a BAMIN, entre outros, declarou alguns princípios que temos que exigir que ela observe com rigor quando da construção e operação do Complexo Intermodal Porto Sul, são eles:
  11. – incentivar o desenvolvimento das comunidades vizinhas e prestadores de serviços de modo a promover o desenvolvimento econômico e social da região;

    – praticar a RESPONSABILIDADE SOCIAL com foco nas comunidades onde atua;

    – atender à legislação e normas aplicáveis ao meio ambiente, saúde e segurança.

 

Ilhéus – BA, 24 de outubro de 2011

Carlos da Silva Mascarenhas

Ilheense, Economista e Auditor de Sistemas de Gestão Ambiental


Josias Gomes Candidato a Prefeito de Ilhéus

23 outubro, 2011

Jornais, blogs, emissoras de rádio e de televisão, e as conversas de esquina apontam que o Deputado Josias Gomes deseja ser candidato a Prefeito de Ilhéus pelo PT – Partido dos Trabalhadores. Digo deseja, mas na verdade ele provavelmente vai ser candidato, pois a força que tem no PT da nossa cidade é muito grande e ao que tudo indica ele não terá maiores dificuldades em realizar este seu esdrúxulo desejo, mesmo que isto desagrade a gregos e troianos, e a correntes influentes do PT de Ilhéus e coloque em risco a própria unidade do Partido na nossa cidade.

Conhecia pouco o Deputado Josias e a sua trajetória política, mas para formar uma opinião mais abalizada sobre ele, resolvi pesquisar sobre as suas atividades e atuação. Dei uma olhada no site da Câmara dos Deputados, na Wikipedia, e no próprio site do Deputado, e com base em informações recolhidas nestas três fontes, traço a seguir uma breve trajetória do Deputado.

Nascido em Amaraji no estado de Pernambuco, Josias estudou o curso ginasial na cidade de Escada, no Ginásio Agrícola, em regime de internato. Cursou o segundo grau no Colégio Agrícola de Belo Jardim, igualmente em regime de internato, onde também criava porcos e plantava pimentão e repolho, que vendia no CEASA de Recife, para ajudar nas despesas escolares e pessoais.

É formado em Agronomia pela Universidade Federal da Paraiba, tendo concluído o seu curso em 1980. Foi ativo líder estudantil, presidente do Diretório Acadêmico de Ciências Agrárias, onde liderou a primeira greve no estado da Paraiba, 14 anos após o golpe militar de 1964.

Está no Partido dos Trabalhadores desde a sua fundação e exerceu diversas funções na direção do Partido, nos vários Estados/Cidades em que militou, e que não foram poucas, o que mostra o espírito nômade do Deputado Josias.

Em Rondônia foi Secretário de Organização entre 1983/84 e Secretário Geral em 1985/87. Em 1985, foi o candidato a vice-prefeito na chapa do PT para a Prefeitura de Porto Velho.

Em 1989 chegou à Bahia, pela região cacaueira, onde participou da coordenação da campanha presidencial do companheiro Lula.

Em 1990, coordenou a campanha de Geraldo Simões para deputado estadual e ao mesmo tempo trabalhou pela criação da Central Única dos Trabalhadores na região cacaueira. Em 1992 coordenou a campanha de Geraldo Simões para a Prefeitura de Itabuna. Após esta outra campanha vitoriosa, ocupou a Secretaria de Assuntos Estratégicos, espaço de articulação política da administração municipal. Vale aqui ressaltar que depois desta longa amizade e convivência, Josias e Geraldo, hoje, são inimigos declarados

Em 1997, assumiu a Secretaria Geral do partido no Estado. Dois anos depois, em 1999, foi eleito presidente do PT da Bahia. Nas eleições de 2002, se elegeu deputado federal com 75 mil votos, distribuídos em 384 municípios.

Como Deputado Federal Josias teve sérios problemas e terminou se envolvendo com o MENSALÃO, tendo enfrentado um processo de cassação, mas terminou sendo absolvido.

De acordo com informação publicada pela Folha Online em 03.05.2006, assim foi a absolvição de Josias:

 “com o plenário esvaziado, a Câmara dos Deputados absolveu nesta quarta-feira o deputado Josias Gomes (PT-BA) do processo de cassação por quebra de decoro parlamentar. Ele é acusado de receber R$ 100 mil do esquema do “valerioduto”.

Ele foi absolvido com 228 votos favoráveis à cassação, 190 contrários, 19 abstenções, 5 em branco e 1 nulo. São necessários 257 votos para cassar um mandato.

Josias Gomes foi o 10º acusado de envolvimento com o “mensalão” a ser absolvido pelo plenário. Dos 19 acusados de envolvimento com o “mensalão”, quatro renunciaram para escapar da cassação e apenas três foram cassados –Roberto Jefferson (PTB-RJ), José Dirceu (PT-SP) e Pedro Corrêa (PP-PE).

Os deputados de oposição alegaram que Josias Gomes escapou da cassação porque o plenário estava esvaziado. No início da sessão, apenas 280 parlamentares estavam presentes.

Josias Gomes alegou, em sua defesa, que usou os recursos para pagar dívidas da campanha de 2002.

Depois de um longo período de completo ostracismo, Josias voltou à atividade política, e em 2010 foi eleito Deputado Federal com 69.619 votos, sendo que obteve apenas 5.296 votos, equivalente a apenas 7,6% dos seus votos na cidade de Ilhéus, tendo sido votado em um grande número de outras cidades.

A primeira pergunta que faço é: o que os eleitores do Deputado Josias, principalmente aqueles radicados em outras cidades, pensam desta sua inconseqüente aventura de tentar se eleger Prefeito de Ilhéus? Será que não estão se sentindo traídos?

Eleito Deputado Federal, pouquíssimo fez Josias até agora e absolutamente nada fez em benefício de Ilhéus e da nossa região. Veja a seguir o que o Deputado Josias Gomes fez como Deputado Federal, nesta legislatura.

  • INC-851/2011-06.07.2011 – Sugere ao Poder Executivo o envio de projeto de lei ao Congresso nacionalpropondo a instalação de um campus universitário da Universidade Federal do Vale do São Francisco.
  • PL-2353/2011 – 20.09.2011 – Acrescenta o parágrafo 9 ao art. 15 da lei 8.666, de 21.06.1993, para vedar a aquisição de leite importado no âmbito da administração pública direta e indireta.
  • PL- 515/2011 – 22.02.2011 – Denomina Barragem Dom Mário Zanetta, a Barragem Gasparinho, situada no município de Coronel João Sá, no Estado da Bahia.
  • REQ- 3441/2011 – 06.10.2011 – Requer a inclusão na Ordem do Dia do Projeto de Lei 1033/2003 que institui o salário adicional de periculosidade para os vigilantes e em pregados em transporte de valores.
  • REQ – 2759/2011 – 10.08.2011 – Requer a instalação de Comissão Especial, a fim de dar parecer sobre a Proposta de Emenda à Constituição 53 de 2007.
  • REQ – 116/2011 – 28.09.2011 – Inclusão na pauta, para votação imediata o Requerimento 113/2011, de autoria dos Deputados Domingos Sávio e Zé Silva.
  • REQ – 84/2011 – 06.07.2011 – Solicita inclusão de requerimento na pauta para votação imediata da subcomissão do leite.
  • RIC – 1321/2011 – 06.10.2011 – Solicita informações ao Ministério das Comunicações sobre processos de outorga de radiodifusão comunitária na localidade de Olindina no Estado da Bahia.

Com uma atividade parlamentar sofrível, como se pode ver acima, e considerando-se que a única atividade profissional/cargo público já exercido por ele em toda a sua vida política, ter sido o de Assessor de Planejamento na Secretaria do Planejamento de Porto Velho, no longínquo ano de 1984, ou seja, há mais de 27 anos, considerando-se também a falta de conhecimento que ele tem sobre a realidade da nossa cidade, pois aqui, pelo que eu saiba, nunca sequer residiu; será que o Deputado Josias pode se constituir em uma boa escolha para governar Ilhéus, exatamente quando o nosso Município deverá enfrentar um especial momento de grande crescimento econômico com o Porto Sul e a ZPE?

Pois é… O que será que o povo de Ilhéus pensa desta esdrúxula pretensão do Sr. Josias Gomes?

Carlos da Silva Mascarenhas

Ilhéense, Economista, filiado ao PPS – Partido Popular Socialista, e pré-candidato a Vereador

carlos.consultic@gmail.com


PORTO SUL x ZPE: Eu só queria entender

20 outubro, 2011

FATO 01

De acordo com informações que constam do site www.portosul.ba.gov.br , o PORTO SUL é um empreendimento do Governo do Estado da Bahia, que com um investimento de R$ 2,6 bilhões vai gerar 2,5 mil empregos diretos e indiretos, e tem a seguinte estrutura:

  • Porto Público (PP)
  • Zona de Apoio Logístico (ZAL)
  • Área de Proteção Ambiental (APA)
  • Terminal de uso privativo (TUP)

Por este empreendimento o Governo do Estado da Bahia e a Prefeitura Municipal de Ilhéus vêm fazendo uma verdadeira CRUZADA.

FATO 02

A ZPE – Zona de Processamento de Exportações de Ilhéus foi criada pelo Decreto número 97.703, de 28.04.1989 e até hoje ainda não foi implantada. São pois 22 anos de lutas. Veja foto a seguir.

clip_image001

Para que vocês vejam o poder de geração de empregos de uma ZPE,  só uma das Empresas que serão instaladas na ZPE Parnaiba, a KTA Frutas Tropicais, que terá como principal atividade a fabricação de concentrados e pós frutas orgânicas, gerará mais de 3.000 empregos.

UMA PERGUNTA

Qual a razão do Governo do Estado e do Governo Municipal não moverem uma palha para a implantação da nossa ZPE?

Carlos da Silva Mascarenhas

carlos.consultic@gmail.com


A entrevista da Secretária e a apresentação de amanhã

9 outubro, 2011

A Sra. Eva Maria Chiavon, Chefe da Casa Civil do Governo da Bahia concedeu entrevista, que foi publicada no Jornal A Tarde de hoje, na qual fala sobre o Projeto Porto Sul.

Pela imprecisão e até alguma incoerência presentes nas respostas dadas por ela, fiquei bem assustado quanto ao que poderá ocorrer na apresentação do Projeto à imprensa e empresários que vai ocorrer nesta segunda-feira, 10.10.2011, às 9 horas, na Câmara de Vereadores de Ilhéus.

Transcrevo a seguir três respostas dadas pela Sra. Eva, e recomendo que vocês leiam a entrevista completa.

A Tarde – Quando o porto deve ficar pronto?

Eva Chiavon – Antes de lhe responder isso há um longo caminho a percorrer. Não tem como eu dizer quando ele vai ser entregue. Posso lhe dizer quando ele tem condições de iniciar (a operação) porque muitas coisas não estão na governabilidade dessa secretária, que são as questões ambientais que estão bem encaminhadas – estamos aguardando a licença prévia para o final deste ano ou no mais tardar no início do próximo. Essa licença é condição para poder “startar” (começar) qualquer processo de construção. Há a licença prévia e a licença de implantação. Outro ponto a ser considerado é a questão da modelagem institucional que está nas mãos da presidente Dilma, ou seja é tarefa da gestão federal. O governo da Bahia está dialogando para ver a melhor modelagem cabível no Porto Sul.

A Tarde – Qual a importância do Porto Sul para o desenvolvimento e a economia do Estado?

Eva Chiavon – O que é importante dizer é que coloca a Bahia e o Nordeste, pelo ramal que vai produzir com o advento da FIOL, com um potencial de utilização para os próximos 50 anos. Evidente que na medida que o projeto e a economia avançam e que a logística se completa pode até superar as expectativas, mas penso que é uma obra (para fomentar) cinco décadas de progresso, porque se você for ver, no 8º ano do projeto, só o minério de ferro terá 25 milhões de toneladas/ano. As perspectivas na área mineral são de grandes avanços. Do mesmo modo, acontece com os grãos (soja, milho) do oeste. O que a gente sabe é que estamos projetando um porto para os próximos 25 anos.

Finalizando a entrevista, A Tarde perguntou: A obra de implantação do Porto Sul vai gerar quantos empregos?

Eva Chiavon – De forma direta 2.030. Empregos indiretos multiplique isso por três, mas não dá para calcular.

É ou não é para ficar assustado com o que pode ocorrer na apresentação de amanhã???

Carlos da Silva Mascarenhas

carlos.consultic@gmail.com