Sobre direitos e posturas

17 outubro, 2008

Não sei quantos leitores chegaram a ver o post publicado hoje cedo, e que tirei do ar alguns minutos depois.

Eu havia copiado trechos de um determinado post, dando TODOS os créditos e fazendo um comentário (concordando e elogiando) sobre o assunto.

Qual não foi a minha surpresa quando a autora do post (que na verdade era uma tradução de um post de um blogueiro americano) me manda um comentário dizendo assim:

“Olá. Agradeço a menção, mas eu não dou licença para que copiem meu conteúdo na íntegra – isso prejudica minha indexação, e é ruim para você também.
Por favor, deixe só um trecho aqui, e as pessoas podem seguir o link para ler o resto do post no meu blog (o que é o justo, já que fui eu quem escrevi o texto, né?); ou apague meu texto. Qualquer das duas opções está bem para mim.”

Mais do que imediatamente respondi via e-mail dizendo que iria alterar o texto, e ainda cheguei a fazê-lo. Fiz porque acredito que as pessoas têm o direito de se posicionar sobre quaisquer assuntos, e eu – definitivamente – não sou de briga. (Pequeno detalhe: o texto não estava copiado na íntegra).

Minutos depois, chega uma resposta ao meu e-mail, dizendo: “a maioria das pessoas que copiam (sic) meus textos me insultam (sic)quando eu faço um pedido como esse e se negam (sic) a resolver a questão. É uma alegria encontrar uma pessoa decente e educada como você.”

Ainda acrescentava que se importava com a indexação nos motores de busca (google e afins), coisa que faz o blog dela estar no topo de sei lá quantas listas. Achei, então que deveria expor a ela – e a vocês, que lêem este blog,  o que penso sobre o assunto.

Em primeiro lugar, não encaro a internet como “terra de ninguém”. Prefiro enxergá-la como um “não-lugar” (concordando com Pierre Levy) onde todos podem buscar/transmitir informações e crescerem com isso. É claro que respeitando TODOS os direitos dos demais, incluindo a propriedade autoral. O site da Creative Commons dá diversas opções de “proteção” de publicações, e eis como me incluo:

Creative Commons License
Quer ler? Eu deixo! by Anabel Cavalcanti está sob licença de Creative Commons .
Em outras palavras:
Você pode reproduzir, desde que cite expressamente a autoria, não altere o texto e não tenha fins comerciais.

Copiar um texto ou parte dele dando o devido crédito com link para o artigo original é essencial. Inclusive oriento os blogueiros a quem dou assessoria e aos que convivem comigo que tomem muito cuidado com isso – respeitar o escrito alheio, nunca deixando de informar a fonte, e, se possível, informar que vai usar o texto, pedindo permissão para isso. Mas esse pedido de permissão (que nunca me foi negado, diga-se de passagem) vejo apenas como uma cortesia, uma delicadeza, não uma obrigação. Pois se publico qualquer coisa na internet, quero mais é que leiam, e se copiarem é porque gostaram, o que me deixa feliz.

Errei – pela primeira vez não pedindo permissão explícita – e para me redimir, retirei completamente o post do ar. Ainda que na verdade, o texto “dela” fosse uma tradução de um outro blog. E me pergunto: Será que o autor a quem ela traduziu deu licença explícita para isso? Não sei. Nem vou procurar saber. Não vou nem por brincadeira linkar o referido blog aqui.

Essas coisas acontecem, chateiam, mas nos permitem aprender a cada dia. E por isso estou repartindo com vocês a minha experiência de hoje. (Por favor, alguém me lembre qualquer dia desses de falar sobre ganhar dinheiro com blogs).

Caso queiram reproduzir qualquer coisa publicada por mim neste blog ou em quaisquer dos meus outros blogs, é só colocar entre aspas, dar o crédito, colocar um link e não alterar. Pode comentar, criticar, pode até elogiar. Só não pode é esquecer que nenhum conhecimento nasce do nada. Todos nós sempre partimos de algum ponto, e quanto mais longe chegarmos, melhor será para todos.