Spams e o impacto ambiental

17 abril, 2009

O que é Spam? Segundo a Wikipedia éspam2
mensagem eletrônica não-solicitada enviada em massa.”

Também conhecido como:
mensagem de conteúdo impróprio ou inoportuno distribuída em massa via e-mail

A prática de SPAMs é condenada em toda a Internet, por ser considerada intrusiva e abusiva. As mensagens enviadas a milhares de endereços de uma só vez não só provocam o aumento do tráfego de informação pela rede como enchem de lixo virtual os servidores da empresas que oferecem acesso à Internet e ajudam a diminuir a velocidade das conexões de todos os usuários, até mesmo do autor do spam.

Além de provocar esses incômodos e malefícios,  o spam agora é responsabilizado por impacto ambiental. O site TI Inside publicou matéria sobre isso, transcrita abaixo:

Spams poluem o equivalente a 3,1 milhões de automóveis

Cada mensagem indesejada (spam) enviada a um e-mail equivale a emissão de 0,3 grama de dióxido de carbono (CO₂), que é o que polui um carro no trajeto de um metro. Quando multiplicado pelo volume anual de spams no mundo, representa a mesma quantidade de gases estufa que um automóvel liberaria para dar a volta no planeta 1,6 milhão de vezes, segundo estudo divulgado nesta quarta-feira, 15, pela McAfee, fornecedora de software de segurança.

Segundo o relatório, a energia usada no mundo todo para transmitir, processar e filtrar spam totaliza 33 bilhões de kilowatts/hora (kWh), ou 33 terawatts/hora (TWh). Isso equivale à eletricidade usada em 2,4 milhões de casas. Para gerar essa energia, as termelétricas do mundo jogam na atmosfera a mesma poluição que 3,1 milhões de carros de passeio.

“À medida que o mundo enfrenta o crescente problema de mudança climática, o spam tem um imenso impacto financeiro, pessoal e ambiental para as empresas e as pessoas”, disse Jeff Green, vice-presidente sênior de desenvolvimento de produtos do McAfee Avert Labs.

A pesquisa analisa que grande parte do consumo de energia associado ao spam (quase 80%) é proveniente de usuários finais que excluem as mensagens indesejadas e buscam pelo e-mail legítimo.

Os países com maior conectividade à internet e usuários, como os Estados Unidos e a Índia, tendem a ter emissões proporcionalmente mais altas por usuários de e-mail. Os EUA, por exemplo, tiveram emissões 38 vezes maiores que a Espanha que, junto com Austrália, Alemanha, França e México apresentaram índices 10% mais baixos. A Espanha, por sinal, foi a que apresentou o índice mais baixo, com a menor quantidade spam e de energia gasta por usuário de e-mail.

Algumas dicas básicas para evitar a proliferação desse mal:

  • Jamais digite seu e-mail em chats, textos em blogs e mensagens instantâneas (msn, gtalk, etc). Caso precise passar seu e-mail para alguém em alguma dessas vias, escreva por extenso: joão arroba provedor ponto com ponto br.
  • Crie filtros para os spams no seu próprio programa de e-mail. Se você usa gerenciadores como o Outlook Express ou Incredimail, crie uma pasta para guardar essas mensagens. Crie uma pasta específica, e nas regras para mensagens, defina que tipo de mensagens podem ser consideradas spam, crie o filtro e ative-o. Da mesma maneira os diversos provedores possibilitam essa filtragem de segurança.
  • Não repasse correntes, aqueles e-mails que vêm com avisos sinistros de azar pelo resto da vida. Existem também as correntes que prometem dólares, ofertas de “ganhe dinheiro fácil” ou um celular para cada amigo que você enviar. Há, ainda, a corrente que apela para o seu coração mole, afirmando que uma criancinha doente receberá alguns centavos cada vez que alguém repassar o e-mail. Esses spams se aproveitam da boa vontade das pessoas para coletar endereços de e-mail e depois repassá-los. Não acredite neles, nem leia, simplesmente DELETE-OS.

  • Nunca encaminhe mensagens a um grupo de pessoas usando Cópia Carbono (CC), utilize o Cópia Carbono Oculta (BCC ou CCO), assim não há risco de alguém “doar” sem querer a lista a algum spammer.
  • Nunca adicione o seu e-mail ou e-mail de algum amigo seu em sites promocionais, listas de e-mail e pergunte antes qual e-mail dele deve cadastrar em qualquer site que vá enviar algo para ele, ex: cartão virtual, lembretes de aniversário, convite para participar de comunidades, indicação de sites, etc.
  • Crie um e-mail somente para se inscrever em sites de comércio eletrônico, cartões virtuais, comunidades virtuais, discos virtuais, listas de discussão, sites de relacionamentos e chats.
Anúncios

Testando o Windows Live Writer

20 setembro, 2008

Por indicação da Juliana, baixei o Windows Live Writer. Assim que li o post dela, vislumbrei a possibilidade de ter de volta um editor de posts, como era o WBloggar, que não acompanhou as mudanças do “novo Blogger”.

Não sei se é novidade de fato, ou se eu é que estava “engolindo mosca” esse tempo todo. Mas o fato é que o WLW é uma delícia, super fácil de usar e de quebra ainda traz uma atualização do MSN (tudo bem que eu quase não estou usando, mas que é bom ficar atualizado, é).

Outra grande vantagem é que ele é compatível tanto com o Blogger quanto com o WordPress. E agora que estou tendo que mexer com os dois, (por conta do meu blog pessoal que é no blogspot) foi um achado!

E ainda permite inserir tabelas e boxes …

e alterar a fonte!!!

13-09-08 013

E as frescurinhas possibilidades que oferece nas imagens, como sombras, bordas, assinatura, etc… É, está valendo – e muito!!! Recomendadíssimo, pessoal.


“O medo de amar é o medo de ser livre”

2 setembro, 2008

(Beto Guedes e Fernando Brant)

“O medo de amar é o medo de ser
Livre para o que der e vier,
Livre para sempre estar
Onde o justo estiver.

O medo de amar é o medo de ser,
De a todo momento escolher
Com acerto e decisão
A melhor direção.

O sol levantou mais cedo e quis
Em nossa casa fechada entrar
Pra ficar…

O medo de amar é não arriscar
Esperando que façam por nós
O que é nosso dever,
Recusar o poder.

O sol levantou mais cedo e cegou
O medo nos olhos de quem foi ver
Tanta luz”

Antes de continuar a ler o post, releia a letra da canção aí em cima. Quando se decide blogar, muitos medos povoam nossa mente (ou a mente de quem pensa demais e não age por impulso). Todos eles plenamente compreensíveis, mas igualmente contestáveis.

Não tenha:

Medo de começar. O primeiro passo parece sempre ser o mais difícil, mas sem ele, não existe caminhada.

Medo de se expor. Alguém já disse que isso é orgulho: Não permitir que outros captem suas imperfeições ou seus pontos fracos. Mas na verdade, admitir nossos próprios limites é a maior das coragens.

Medo de errar. “Quem tenta pode errar. Quem não tenta, já errou.”

Medo de dizer o que já foi dito. Sempre existe um novo ponto de vista, uma nova maneira de enxergar o mesmo assunto.

Medo de mostrar suas fontes. Links no seu blog dão credibilidade, além de abrirem novas portas para seu leitor. Além disso, dar o crédito a quem é de direito é o mínimo que a ética da blogosfera exige.

Medo de inovar. Seja criativo, faça coisas diferentes, “invente, tente, faça diferente!”

Medo de se entregar ao seu texto. Seja sobre o que for que você estiver escrevendo, coloque o coração. Desde uma crítica de livro ou filme, a uma opinião sobre economia ou política, passando pelo seu “diarinho”… deixe a alma falar!

Medo de ser polêmico. Quem foi que disse que todos TÊM que pensar igual? As divergências de opinião só acrescentam. E também nos ensinam a ouvir que nem sempre temos razão (ou simplesmente, que existe outro ponto de vista).

Medo de não ser visto. Em primeiro lugar, escreva pra você. Depois se chega aos outros. E se não chegar, quem perdeu foi quem não leu.

Medo de comentar nos blogs alheios. É nesse vai-e-vem de comentários que se formam as redes na blogosfera. Quem não comenta não é visto. Mas, pelamordedeus, só comente se você tiver REALMENTE o que dizer. Se não tiver nada a acrescentar, melhor ficar “calado”.

Ao mesmo tempo, tenha cuidado em:

Expor suas idéias sem ofender pessoas com idéias opostas às suas.

Usar o “português” (a língua-mãe) corretamente. Eu, particularmente,  interrompo qualquer leitura de um texto escrito sem cuidados básicos com o idioma, ou em dialetos como o miguxês.

Não fazer do seu blog simplesmente uma vitrine comercial. Existem sites especializados nisso, e quem vai a um blog não está exatamente pensando em fazer compras.

Não exagerar no uso de imagens que deixem a página pesada para carregar. Ao postar fotos, certifique-se de que elas estão compactadas, sem perder a qualidade.

De alguma maneira responder os comentários feitos em seu blog. Seja por e-mail, seja no próximo post, seja na mesma caixinha de comentários… mas dê um retorno aos seus leitores.

Parafraseando Beto Guedes e Fernando Brant,

O medo de blogar é o medo de ser
Livre para escrever
Livre para dizer
Tudo o que se quer.

O medo de blogar é o medo de ser,
De a todo momento escolher
Com acerto e decisão
O melhor assunto, a melhor direção.

O sol levantou mais cedo e quis
Em nossa casa fechada entrar
Pra ficar…

O medo de blogar é não arriscar
Esperando que façam por nós
O que é nosso dever,
Recusar o poder.

O sol levantou mais cedo e cegou
O medo nos olhos de quem foi ler
Tanta luz…