O perfil do blogueiro

9 setembro, 2008

Não vou pesquisar em lugar nenhum para falar desse assunto.

A primeira, e mais importante razão é que QUALQUER PESSOA PODE SER UM BLOGUEIRO.

A segunda, é que, depois de três anos na blogosfera, já aprendi um pouquinho a identificar os diversos tipos de “colegas”.

É claro que existem blogueiros e Blogueiros.

Tem aquele que “se acha”, e enche a boca pra fazer o blog repercutir, seguindo sua lista de links e comentando assim: “tem post novo no meu blog, passa lá.” (Esse ainda não aprendeu que as ferramentas de feed “avisam” quando tem post novo. E supõe que seus textos sejam do interesse dos outros.)

Tem também aquele que posta por obrigação, seja diariamente um num dia específico da semana. E quando não tem assunto… os leitores desavisados são forçados a encarar um vídeo do youtube, uma tirinha de Calvin ou assemelhado, ou um infame “pensamento do dia”. (Esse ainda não descobriu que é melhor ficar calado quando não se tem o que dizer.)

Tem o blogueiro que só lê quem comenta no seu blog. E fica andando em círculos, sem perceber que o universo é infinitamente maior que seu próprio umbigo. (Esse não sabe que de link em link a gente chega não somente a Roma, mas a lugares virtuais muuuuuito interessantes.)

Tem o que adora fazer ctrl + C / ctrl + V e sair reproduzindo o que recebeu por e-mail ou leu em outro blog. E não se digna nem a citar a fonte. (Esse ainda não entendeu que o blog funciona exatamente por permitir que se escreva o que se quer, e se deixe a criatividade deitar e rolar. Mas respeitando sempre os créditos de quem já disse antes.)

Não dá pra ignorar o blogueiro que não tem desconfiômetro de que “aquele assunto” já deu o que tinha que dar, e continua a escrever sempre sobre o mesmo tema. (Esse escolheu colocar uma “viseira” daquelas que se coloca em cavalo, pra só olhar pra uma direção.) [Excetuam-se desta categoria os blogs temáticos por opção: os que falam sobre cinema, culinária, livros, bebês, artesanato, etc, etc, etc.]

Mas a salvação da Blogosfera é que existe uma turma do bem, que  escreve porque quer e gosta, que não se preocupa em estar no topo da lista de tal ou qual medidor de audiência, que valoriza seus leitores tanto ao procurar tratar de coisas interessantes e assuntos variados quanto ao responder a cada comentário feito. Que PENSA e OPINA, que aceita divergência de idéias, que entende que um dia ou outro está sem ânimo ou sem assunto e assume isso. Que pede ajuda quando precisa, e que oferece quando percebe a necessidade do outro. Que descobre coisas novas e reparte, que dissemina idéias e fomenta discussões produtivas. (Esses já sacaram que blogar é mais que um hobby, pode ser uma terapia, uma maneira de fazer – e conservar – amigos, e pode ser até uma profissão.)

E, sabem qual é a característica do blogueiro do bem que mais me atrai e me deixa feliz? É que as relações contruídas no blog não param por ali. Há geralmente uma troca de e-mails (para ensinar algo, ou para contar em private um assunto que não dá pra ser colocado no blog), adiciona-se no msn, e daí pra trocar números de celulares é um pulo.  (Esse sabe que SMS’s são maneiras ainda mais carinhosas de se alimentar a amizade.) Os mais corajosos – ou mais confiantes – conseguem agendar encontros, ou cruzar o país pra conhecer seus velhos amigos.

Outro dia falo sobre a continuação desse relacionamento extra-blog. (Me lembrem). Hoje deixo duas fotos de um momento delicioso de encontro entre quatro blogueiras em João Pessoa, PB: Line, Jady, Carol e eu, (Sofia só encontramos no dia seguinte, quando Jady já havia voltado para Campina Grande).

Carol, Line, Bel e Jady

Bel, Carol, Sofia e Line

Bel, Carol, Sofia e Line